Graduação EAD
Mega vestibular
Prorrogação de Matrícula EAD
Crédito recorrente
Campanha Março
Ed. Física
Graduação EAD
Mega vestibular
Enfermagem presencial
Crédito recorrente
Campanha Março
Pós EAD
previous arrow
next arrow


pilares-da-empregabilidade

No livro “Empregabilidade”, José Carlos Minarelli fala sobre o conceito de pilares de empregabilidade.

Mas antes de falar sobre eles, é preciso saber o que é empregabilidade.

Empregabilidade refere-se aos atributos de uma pessoa que a tornam capaz de obter e manter um emprego.

“Para mim, empregabilidade é um conjunto de fatores que sustentam a nossa capacidade de produzir serviço. Gosto de usar essa definição, pois ela faz com que o profissional entenda que ele é um prestador de serviços para os outros. Com isso, percebendo que são os outros que justificam os seus trabalhos – as suas profissões – e que ao compreender as necessidades dos outros para oferecer uma solução, ele terá trabalho e remuneração sempre, seja com emprego, como consultor, como fazedor, ou seja, como for. Como autônomo, empreendedor individual, constituindo uma pequena ou média empresa de prestação de serviços.”

Empregabilidade é um termo muito mais abrangente do que emprego e tem relação com todas as formas de prestação de serviços. Quando essa visão fica clara, todos os profissionais compreendem a importância de conhecer e aprimorar os pilares da empregabilidade.

Diante disso, quais seriam os pilares da empregabilidade?

Ela tem relação com as vocações que a pessoa possui e que farão com que ela exerça determinada profissão de forma mais assertiva, na maior parte dos aspectos.

Alguns têm mais facilidade de entender suas vocações e escolher carreiras que combinem com elas, outros têm mais dificuldade e os testes vocacionais podem colaborar.

O quanto você se esforça para se manter sempre atualizado e executando o seu melhor profissionalmente?

Competência tem a ver com isso.

É mais do que comprovado que estar bem física, mental e espiritualmente influencia nos resultados profissionais.

Além do fato de que a vida não é só trabalho e aquele que consegue equilibrar todas as áreas de forma mais saudável prospera mais.

A falta de reserva financeira faz com que decisões sobre a carreira profissional sejam tomadas muitas vezes pensando no dinheiro e não em outros fatores, como objetivos, melhoria de vida pessoal e outros.

Além de que investir em conhecimento muitas vezes traz custos financeiros.

Ou podemos chamar de networking. As relações são fundamentais na vida pessoal, e por que não seriam na profissional?

Boas relações abrem portas e no mercado de trabalho isso é um grande diferencial.

Esses pilares são interligados e não se pode dizer que um possui mais peso do que o outro na balança.

De nada adianta ter vocação, porém não estudar e se empenhar para ser um bom profissional. Assim como relacionamentos abrem portas para um profissional mediano, porém não o sustentam no emprego. E muitos outros exemplos poderiam ser dados para mostrar como eles se complementam.

Essa é uma teoria interessante, que deve ser avaliada com atenção, principalmente pelos jovens que buscam escolher uma graduação. Pesar o quanto seguir sua vocação pode ser importante em detrimento de uma escolha baseada somente nos possíveis ganhos financeiros. O quanto criar e manter relações pode fazer diferença, assim como construir uma carreira profissional alinhada com uma boa vida pessoal pode ser a chave do sucesso.

Você já ouviu falar sobre os pilares da empregabilidade? Conte nos comentários.

 

última atualização em: 3 de maio de 2022