Graduação EAD
Mega vestibular
Prorrogação de Matrícula EAD
Crédito recorrente
Campanha Março
Ed. Física
Graduação EAD
Mega vestibular
Enfermagem presencial
Crédito recorrente
Campanha Março
Pós EAD
previous arrow
next arrow


inteligencia-emocional

Desde a década de 90, quando Daniel Goleman lançou o livro Inteligência Emocional, que o tema vem tomando cada vez mais espaço e em cada vez mais áreas.

O que inicialmente se falava muito somente na Psicologia e Educação, hoje é usado como ferramenta no mercado de trabalho e por isso saber o que é e como aprimorá-la tornou-se essencial.

Inteligência emocional, de acordo com Goleman, é a capacidade de uma pessoa de gerenciar seus sentimentos de modo que eles sejam expressos de maneira apropriada e eficaz. 

O conceito não é dele, mas o seu livro o popularizou e podemos citar outras definições como:

“a capacidade de perceber e exprimir a emoção, assimilá-la ao pensamento, compreender e raciocinar com ela, e saber regulá-la em si próprio e nos outros” – Salovey e Mayer.

“capacidade de identificar e lidar com as emoções e sentimentos pessoais e de outros indivíduos.” – psicologia.

Podemos, então, de forma mais simplificada, dizer que inteligência emocional é a habilidade de compreender emoções (suas e de outros) e utilizá-las de forma adequada.

Pensando em todas essas definições, podemos compreender porque, inclusive, existe o chamado QE (quociente emocional), que veio para somar à ideia do antes utilizado QI (quociente intelectual).

Os estudos ao longo dos anos mostram que avaliar as habilidades pensando somente no QI é ultrapassado e não demonstra de fato a totalidade do ser humano.

A teoria de Goleman baseia a inteligência emocional em 5 pilares (autoconsciência, autorregulação, automotivação, empatia e habilidades sociais) e propõe 12 domínios essenciais para que ela seja desenvolvida.

Esses domínios fazem parte, hoje, do que se busca nos profissionais atuais e, por isso, se faz tão essencial entender sobre o assunto.

A inteligência emocional, assim como outras soft skills, pode ser trabalhada de forma a desenvolvê-la e com isso aumentar o quociente e os seus resultados pessoais e profissionais.

Existem, além do livro já mencionado, outros sobre o assunto e muitos cursos que falam sobre a teoria e também ajudam nesse desenvolvimento da inteligência emocional.

Nos dias atuais, se faz cada vez mais necessário investir não somente nas hard skills, que são as habilidades acadêmicas, mas também, e dada a devida importância, para as soft skills, que são as habilidades comportamentais.

As relações e o “como” elas ocorrem são de fundamental importância, não só na vida pessoal. Nos ambientes profissionais, os estudos mostram cada vez mais que pessoas altamente capacitadas emocional e comportamentalmente geram melhores resultados e que isso faz diferença no todo.

Não é moda e não é à toa que se escuta e se fala tanto em inteligência emocional. Já tinha feito essa análise?

No episódio 17 do podcast do DOM Universitário, a psicóloga Daphne Queiroz falou sobre o tema: Gestão de crise e inteligência emocional.

“Quem não está, nesse último ano, passando por um tipo de crise de alguma maneira, em níveis maiores ou menores, em sua vida pessoal?! Toda mudança e novo desafio gera o movimento de ter que adaptar um formato antigo de funcionamento e reformular coisas.”

Essa é a provocação inicial feita nesse podcast e vamos dar alguns outros detalhes do que foi falado. Para escutá-lo na íntegra, acesse o link: https://open.spotify.com/episode/0Ym91D3wcEmsHtdM0keHp9?si=EgQ4a0cwQwWIK97v6vZmBQ

A reflexão principal dessa conversa é sobre a organização que temos de nós mesmos com relação a uma série de fatores que passam pela gente durante a vida. O corpo é um armazenamento de memórias e de impressões sensoriais.

Precisamos conhecer nosso corpo, e não tender a só entrar em contato com emoções “bonitas” e o quanto lutamos para não mostrar o que, muitas vezes, é a melhor parte de nós mesmos.

Temos uma infinidade de pessoas, das mais diferentes idades, que não sabem e não conseguem lidar com seus erros, com a parte ruim da vida.

E nos momentos de crise, tudo isso vem à tona, mostrando, como se fosse em um espelho, todas as impressões sensoriais que estão no nosso corpo.

O corpo guarda a história da nossa sobrevivência e, por isso, é preciso observar e cuidar mais de nós mesmos, ao invés de rejeitar o que incomoda ou não é bom.

Nos é ensinado a não mostrarmos os sinais da instabilidade, como o tremor e a boca seca. Mostrar que sempre somos sólidos, fazendo com que pensemos que sempre que algo angustiando nos assola, devemos correr.

É verdade, porque nosso corpo entendeu que isso é sobrevivência. Mas o fato é que a crise não é só ruim.

A crise é uma ruptura…é algo que vem para movimentar. A crise não é só ruim, é, sim, oportunidade.

E é importante saber que nosso cérebro está programado para se manter na estabilidade, nos padrões. Porque com padrões, se sabe como agir. Então a mudança não é algo fácil, nem corporalmente falando, porém muitas vezes ela é necessária.

Às vezes, aquela forma de agir e de ser nem faz bem, é somente um costume.

A mudança faz com que exista mudança no “eu” que parecia estar organizado. Causa medo, ansiedade.

Mas a vida é sobre aprender novos repertórios, a saúde é sobre isso.

Sair da crise tem relação também com criatividade. Entender quais batalhas precisamos travar, em determinados momentos.

E as crises não são necessariamente as grandes. As mudanças pequenas, como sair das aulas presenciais para as online ou deixar o meu local físico de trabalho e ir para o home office.

Como usar todas as ferramentas e a inteligência emocional para fazer essas mudanças necessárias da melhor forma?

Esse episódio é uma grande “sessão de terapia” e que vale ser escutado com atenção e aberto para as mudanças.

 

última atualização em: 19 de julho de 2022