Mega vestibular
Prorrogação de Matrícula
Prorrogação de Matrícula EAD
Crédito recorrente
Campanha Março
Ed. Física
Mega vestibular
Graduação EAD 80% off
Enfermagem presencial
Crédito recorrente
Campanha Março
Pós EAD
previous arrow
next arrow


memória

Todo estudante, esteja ele em qualquer nível de estudo, em algum dia precisou usar sua memória. Aliás, todos os indivíduos, desde a mais tenra idade, utilizam a memória diariamente.

Mas o que é memória?

A memória é o armazenamento de informações e fatos obtidos por meio de experiências ouvidas ou vividas.

Esse armazenamento ocorre no cérebro e em etapas:

Nesta primeira etapa, é preciso estado de alerta total e atenção, para que assim se memorize as informações.

Essa atenção da primeira etapa favorece a compreensão por meio de conexões, trazendo assim o entendimento da informação que foi recebida e isso facilita a memorização.

Após o indivíduo entender o significado da informação, o cérebro retém o conteúdo.

Nesta etapa, o cérebro organiza as informações hierarquicamente. Depois disso, alguns tipos de estímulos geram a recuperação dessas memórias.

Existem dois principais tipos de memória: as de curto e as de longo prazo. De forma simplificada, como o próprio nome diz, as de curto prazo são as informações que guardamos por pouco tempo, com um objetivo mais específico, como, por exemplo, o nome de uma rua para onde se está indo. A de longo prazo são aquelas que são guardadas “para sempre” e quando precisamos da informação, ou algo nos remete a ela, lembramos.

O que vai ficar na memória de curto prazo e o que vai para a de longo prazo depende muito, principalmente da relevância da informação para o seu cérebro. E, por isso, a atenção e o treino da memória para as coisas que considera importante é essencial.

Um estudante que escuta um conteúdo em sala de aula sem muita atenção e, quando vai realizar uma prova, não revisou esse conteúdo, certamente, ao ler as questões, não terá sua memória ativada, pois aquilo não ficou guardado.

Então, como dito, o treino da memória é fundamental.

memória

Vamos treiná-la?

Ou seja, faça ela funcionar. Evite usar ferramentas para te ajudar a lembrar das coisas. Se você anotar tudo o que precisa em um caderno ou app, não treinando seu cérebro para lembrar, por exemplo, de senhas, telefones, fórmulas matemáticas, cada vez menos irá lembrar das coisas sem o uso dessas ferramentas.

Como já dissemos, o processo precisa de foco. Então, quando o professor estiver explicando algo, ou alguém te dando uma indicação de caminho, foque toda a sua atenção no que está sendo dito. Se esforce em “guardar” os detalhes, porque eles ajudam na memorização.

Associações são uma boa forma de colaborar na memorização. Algumas pessoas têm mais facilidade visual, então associam imagens; outros preferem, por exemplo, fazer memorizações relacionadas com outras coisas que sabem que lembrarão com facilidade, como números e letras. Busque entender qual forma é melhor para você, mas treine fazer associações.

Seja você expert na matemática, ou não. Aliás, se você não é, essa é uma boa forma, inclusive, de melhorar. A ideia é fazer pequenos cálculos mentais no dia a dia para treinar, como ir somando os números de placas de carro, de casas. Além, claro, de tentar sempre fazer todas as operações que surgirem de forma mental.

Os jogos são uma forma divertida de treinar a memória. Xadrez, quebra-cabeça, jogo da memória, palavras cruzadas, Sudoku, dominó, ou qualquer tipo de jogo que requer atenção, foco e resgate de informações são ótimas formas de treino.

O hábito de retomar lembranças é um bom treino. Tente diariamente relembrar uma citação de uma personagem que você goste ou que seja importante na história. Tenha o hábito de contar para as pessoas fatos que aconteceram já faz um tempo. Tudo isso ajuda a manter a memória sempre ativa.

Agora, conte como anda a sua memória. Vai começar a treiná-la hoje mesmo?

E para se manter sempre informado, continue acompanhando o Blog e as redes sociais do UniDomBosco.

 

 

última atualização em: 6 de julho de 2022