Graduação EAD
Mega vestibular
Prorrogação de Matrícula EAD
Crédito recorrente
Campanha Março
Ed. Física
Graduação EAD
Mega vestibular
Enfermagem presencial
Crédito recorrente
Campanha Março
Pós EAD
previous arrow
next arrow


alfabetização-para-futuros

Alfabetização para futuros, alfabetização sobre futuros, alfabetização em futuros, esses são alguns dos nomes dados para uma nova forma de pensar na alfabetização.

Antigamente, o termo alfabetização se referia somente ao aprendizado da leitura e da escrita, mas com o passar do tempo passou a ser utilizado de forma mais ampla e se referindo ao aprendizado de forma mais abrangente. Termos como “alfabetização digital”, “alfabetização financeira” já são bastante utilizados e escutados no mundo todo.

O que é alfabetização para futuros?

A alfabetização para futuros vem nessa vertente de tratar a alfabetização de uma forma mais abrangente e se trata exatamente do que o nome cita. Alfabetização no sentido de aprendizado e futuros no sentido do que está por vir.

Para a alfabetização de futuros, o contexto específico é a imaginação humana, pois o futuro só pode ser imaginado. A capacidade a que se refere o termo ‘alfabetização do futuro’ é, portanto, a capacidade de saber imaginar o futuro e porque ele é necessário. A alfabetização do futuro permite tornar-nos cientes das fontes de nossas esperanças e medos, e melhora nossa capacidade de aproveitar o poder das imagens do futuro, para que possamos apreciar mais plenamente a diversidade do mundo ao nosso redor e as escolhas que fazemos.

Futures Literacy é uma capacidade. É a habilidade que permite que as pessoas compreendam melhor o papel do futuro no que veem e fazem. Ser alfabetizado sobre o futuro fortalece a imaginação, aumenta nossa capacidade de preparar, recuperar e inventar à medida que as mudanças ocorrem. (UNESCO, 2020)

Essa ideia foi pensada pela UNESCO e é fomentada por ela desde 2012. Vários eventos foram criados sobre o tema para, além de discutir e debater, apresentar as técnicas testadas e experimentadas para os estados membros da ONU.

Entre estas técnicas estão as testadas no ensino superior, para a inclusão e a diversidade, para refugiados, para resgatar a colonização,na política.

Como citamos, desde 2012, a UNESCO já trabalha esse tema, porém, com a pandemia, os debates sobre ele se tornaram mais comuns e constantes.

Em 2020, no Fórum Econômico Mundial, a alfabetização para futuros, assim como o pensamento sistêmico, capacidade de antecipação e prospecção estratégica, foram citados como habilidades necessárias para tornar o mundo melhor pós-pandemia.

Quais os desafios?

O grande questionamento atual sobre o tema é como, na prática, realizar essa alfabetização. Como colocar na grade curricular das escolas essa disciplina? Como mostrar a importância dessa alfabetização para governos e cidadãos? Como fazer com que a ideia seja mais clara para todos?

E, sobretudo em países como o Brasil, por exemplo, que possui ainda uma grade curricular que pouco traduz as necessidades atuais dos cidadãos, além de ter índices baixos de alfabetização na língua materna?

Soa, para esses países, como um degrau distante de ser alcançado, porém é preciso enxergar a alfabetização para futuros, como também a alfabetização digital e financeira, como temas importantes e que devem ser debatidos.

Estar a par dessas discussões mundiais, como temas como esse, é um primeiro passo para as mudanças que precisam ser realizadas, não somente na educação. A educação é uma das bases de uma sociedade. Trazer as mudanças nessa área para as discussões certamente faz um efeito de pedrinha no rio e abrange as outras bases da sociedade.

A alfabetização para futuros é, com certeza, um tema que ainda será muito escutado e discutido nos próximos anos. Escreva nos comentários se já tinha ouvido falar sobre esse tema e continue acompanhando o blog e as redes sociais do UniDomBosco, para se manter sempre atualizado.

 

última atualização em: 16 de agosto de 2022